terça-feira, 22 de julho de 2008

"A Lista de Schindler"

Vi no outro dia o filme de Steven Spielberg "A Lista de Schindler". O filme narra várias histórias de judeus durante a segunda guerra mundial e tem como história principal a de Oskar Schindler, um alemão do partido nazi que teve em suas mãos muitos judeus. É um filme longo mas que não nos faz piscar os olhos em nenhum segundo, é dos melhores que já tive o prazer de ver. Aconselho mesmo muito a ver, mostra muito do que se passou durante o período da segunda grande guerra de uma maneira muito pessoal. O que mais me espantou sinceramente nem foi todo o cenário de guerra ou algumas atitudes de militares nazis, mas sim o percurso que Schindler teve... a pessoa no início do filme não é a mesma com que o filme acaba. Por isso é que os últimos momentos do filme, em que Oskar Schindler se dirige aos mais de 1100 judeus que salvou e especialmente ao seu braço direito Izack Stern ficaram e ficarão gravadas na minha cabeça para toda a vida. Schindler deu oportunidade a que todos estes judeus e todas as gerações que vieram deles podessem viver. Quem não viu o filme aconselho mesmo muito a ver... vale mesmo a pena. Acho que nos faz um pouco perceber a sorte que temos em simplesmente... vivermos... livremente... com os nossos amigos e familiares a morrerem de velhice ou doença... e não morrerem numa era em que a guerra dita as regras. Eu felizmente não sei o que é viver em guerra, Schindler soube andar no meio dos lobos com os cordeirinhos ao colo de uma maneira que me impressiona muito. Se algum dia fizer um décimo do que ele alcançou... já terei feito muito... mas nunca será o suficiente.

3 comentários:

Ana Patrícia disse...

Sabes que querem eliminar dos planos curriculares essa parte da História? Que querem apagar assim, mais uma vez, milhares de vidas, como se isso apagasse também o sofrimento de tantas outras? Felizmente, houve alguém com uma visão além horizontes e perspicaz para incentivar o registo fotográfico desta atrocidade, porque alguém um dia seria bem capaz de dizer que tudo não tinha passado de uma mentira e de um mito...

Beijinho sereno

Gui disse...

Felizmente... felizmente mesmo. É como tu mesma dizes, não são apenas lições... são vidas que se perderiam. É sempre bom ver-te passar por aqui e sentares-te um pouquinho neste cantinho. Beijinhos

sandrita disse...

eu ja vi e simplesmente gostei.
tens razao o homem que começa nao é o mesmo que acaba.
Foi horrivel ver os judeus a morrerem em camaras de gas...
Ver mulheres a fazer cortes para por sanguem na cara, para parecerem rosadas... crianças...
SOmos impotentes a tanta maldade.